Barulho excessivo nas festas de fim de ano pode provocar danos permanentes na audição

Por: Revista Nossa Foto: DIVULGAÇÃO
Compartilhe

Durante as festas de fim de ano é comum se preocupar com o excesso de sol, de alimentos gordurosos e de bebidas alcoólicas. Mas, um cuidado que, geralmente, passa desapercebido leva em conta a audição. Nessa época, as confraternizações costumam ter muita conversa e animação e, para embalar esses momentos, também entram as músicas em volume alto e os fogos de artifício.

Em contrapartida, segundo o médico otorrinolaringologista Márcio Freitas, essa somatória de barulho pode causar danos temporários e até permanentes aos ouvidos. Conforme a Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia (SBORL), a exposição a sons intensos é a segunda causa mais comum de deficiência auditiva no país. ?O excesso de ruídos, ao longo do tempo, pode levar à surdez. Basta meia hora por dia em lugares com mais de 85 decibéis para contribuir para a perda auditiva gradual?, alerta Freitas.

Para se ter uma ideia, estima-se que o barulho ao que as pessoas se expõem em shows, boates e baladas seja igual ou superior a cem decibéis. Segundo o médico, esses sons altos e, principalmente, repetitivos causam um dano irreversível às células ciliadas da cóclea, que é responsável pela audição. Para se proteger, a orientação não poderia ser outra: evitar a exposição excessiva. Mas, quando não for possível, vale usar protetores auriculares.

Os sintomas mais comuns da perda auditiva são dificuldade de escutar, dor, sensação de zumbido ou chiado. Ao primeiro sinal é preciso buscar ajuda médica. ?A expectativa de vida do ser humano aumenta a cada ano e é preciso preservar a audição para alcançar a velhice com qualidade?, alerta o especialista. Em casos nos quais a perda auditiva acaba sendo confirmada através de avaliação médica e exames, o tratamento adequado inclui uso da prótese ou, em situações específicas, de um implante coclear. 

Sobre Márcio Freitas

Marcio Freitas possui graduação na Faculdade de Ciências Médicas e residência de Otorrinolaringologia, ambas pela Santa Casa de São Paulo. É também membro da Academia Brasileira de Otorrino e Cirurgia Cervico-Facial e da Academia Brasileira de Cirurgia Plástica da Face. Além disso, conta com Mini-Fellow em Cirurgia Plástica da Face e Cosmetologia pela University Of Miami (Muller School of Medicine). Mais informações podem ser obtidas no site www.drmarciofreitas.com.br. O especialista também está no Facebook.

Veja também

Como se prevenir do tromboembolismo em cirurgias plásticas
Nossa Saúde e Estética com Dr. Rodrigo Agacy
Harmonização facial: paciente denuncia médico por graves sequelas
O caso já é investigado pela Polícia Civil.
Conheça os benefícios do Ultherapy
O fim da flacidez!
Nutróloga dá 12 dicas para cumprir, mês a mês, a promessa de emagrecer em 2019
O que fazer para manter a força de vontade e conseguir o tão sonhado emagrecimento?
Dr. Bruno Francisconi destaca a importância do tratamento de hérnia de disco
Essa doença é a que mais provoca dores nas costas
Estudantes jaraguaenses descobrem alimento mais rico em potássio que a banana